Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Quem desceu, quem subiu

Vagner Aquino/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vagner Aquino

06/01/2017 | 07:05


De acordo com a lista divulgada pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), houve sobe e desce em quase todas as categorias de automóveis do País em 2016. Eventos como o escândalo dos motores a diesel da Volkswagen, fim de vida de alguns modelos e estreias bombásticas, como da Fiat Toro, por exemplo, movimentaram os segmentos e desbancaram veteranos.

Em janeiro, o segmento de entrada era liderado pelo Fiat Palio, com 8.012 unidades vendidas no período, porém, o Ford Ka ultrapassou o concorrente e ficou com o primeiro lugar no fechamento de dezembro. O VW Gol continuou intacto, na terceira posição.

Já no ranking dos hatches pequenos, o Chevrolet Onix (que é o modelo mais vendido do Brasil atualmente, com 18,4 mil unidades em dezembro e 153.372 no acumulado do ano) se manteve no topo da lista, deixando para trás a dupla Hyundai HB20 e Renault Sandero. O VW Cross Fox passou de terceiro para quarto entre janeiro e o último mês de 2016.

Hatch médio. Este segmento sofreu fortes alterações. No primeiro mês do ano, o VW Golf liderava a corrida, com 1.229 unidades vendidas no mês. Mas mesmo depois de ser nacionalizado, suas vendas caíram mais da metade. Foi para o terceiro lugar, em dezembro, perdendo para Fiat Punto (primeiro) e Ford Focus (segundo) no acumulado do ano.

Na categoria de sedãs pequenos as coisas continuaram iguais o ano todo. Desde janeiro, Chevrolet Prisma, Hyndai HB20S e Fiat Siena formam o pódio dos mais vendidos. O GM supera os 66 mil emplacamentos no acumulado do ano, enquanto o segundo lugar tem pouco mais de 46 mil.

Nos sedãs compactos, teve reviravolta. O Honda City perdeu lugar para o Chevrolet Cobalt, que abocanhou 1.868 clientes só em dezembro. A terceira posição fica com o Ford New Fiesta Sedan.

O Toyota Corolla não largou o osso em 2016 e se manteve no topo do ranking dos sedãs médios. Emplacou 6.015 vendas no 12º mês do ano, número que está dentro das 64.738 unidades do acumulado de 2016 – isso representa 44,20% do segmento. Na segunda posição, vem o Honda Civic, quase 21 mil comercializações ao longo do ano. E esses 12 meses foram suficientes para que o Chevrolet Cruze ultrapassasse os adversários Nissan Sentra, Renault Fluence, VW Jetta, Ford Focus e Citroën C4, conquistando a terceira posição.

Outro que não desceu foi o BMW Série 3 – manteve o topo do pódio da categoria de sedãs grandes. Foram 290 emplacamentos em dezembro. Número singelo, mas que deixa para trás os concorrentes da Mercedes-Benz: Classe C e CLA (segundo e quarto, respectivamente). O Audi A4 ficou na terceira colocação.

E o segmento mais agitado do Brasil ultimamente, o de SUVs, começou o ano com o Renegade na liderança (vendeu 4.991 unidades em janeiro). Mas as novidades foram aparecendo e o consumidor foi ficando cada vez mais dividido, tanto que agora, com Nissan Kicks e Jeep Compass na parada, quem levou a melhor foi o Honda HR-V, que emplacou 325 modelos (dezembro) e deixou para trás o rival da Jeep e o veterano Ford EcoSport, que insiste em manter o terceiro lugar.

No cenário de picapes pequenas, nada de mudanças. Fiat Strada, VW Saveiro e Chevrolet Montana continuam formando o pódio. Porém a líder vendeu, em 2016, quatro vezes mais que o modelo da GM.

Agora, no mercado de picapes grandes, a Fiat Toro fez a festa. Lançada no começo do ano, a novata desbancou a ex-líder Toyota Hilux e vendeu 41.283 no acumulado de 2016 – a japonesa teve 34.031. A Chevrolet S10 continua no top three, mas foi da segunda para a terceira posição. Entretanto, quem amargou derrota foi a VW Amarok, hoje em sétimo lugar.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados